NPdiário | Região protesta contra estupro de adolescente em Jacarezinho

Região protesta contra estupro de adolescente em Jacarezinho

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

Programada manifestação na manhã de domingo

No próximo domingo, dia nove, às dez horas a partir dos Correios (avenida Getúlio Vargas) haverá em Jacarezinho uma manifestação pacífica, a qual tem como objetivo repudiar qualquer ação de violência contra a mulher, e sobretudo trazer à tona a denúncia do estupro que uma menor jacarezinhense, de 17 anos, foi vítima na noite do último domingo, dia dois.

Apesar de nesta terça-feira já ter acontecido um protesto em frente da casa e do comércio do pretenso acusado do crime (foto acima), no final de semana será mais organizado e contará com um número maior de manifestantes, incluindo a família da menina, que teria sido violentada por um homem de 53 anos após ser dopada com uma bebida durante uma festa. Segundo a família, a moça foi submetida a um exame na Santa Casa de Jacarezinho e restou constatado que havia lesões.

A manifestação a pé passou pela avenida Manoel Ribas, parou em frente do prédio da 12ª Subdivisão Policial com cartazes, gritando palavras de ordem exigindo punição severa ao homem, e terminou no local onde trabalhava o criminoso, onde colaram cartazes de conscientização (mas foram retirados por pessoas não identificadas depois).

Já a passeata que ainda acontecerá no domingo terá cunho informativo, trazendo estatísticas acerca do estupro e mostrando como o crime continua sendo frequente em todo o Brasil.

“Precisamos, neste momento, trazer a discussão para Jacarezinho, aliada a um movimento local de ‘basta!’. Os nomes não estão sendo divulgados em respeito à lei e à família; fazemos tudo pensando com muita calma e respeito, afinal, todos os ânimos estão sensíveis por conta da grave violência sofrida por uma pessoa querida na cidade”, assinala texto atribuído à ONG (Organização Não Governamental) Núbia Rafaela Nogueira, que tem ajudado no ato.

Por isso, de acordo com a organização, todos estão convidados para a passeata. Foi orientado também que os interessados levem cartazes, o intuito é tê-los como um método educativo. Além disso, acordou-se, no grupo recém-criado, que todos deverão participar vestindo shorts, camiseta preta e bandana, se possível. A roupa foi escolhida como um recurso simbólico, dado que muitas vezes o estupro é justificado pela roupa da vítima.

De acordo com a Polícia Militar, a garota informou que estava na festa, numa chácara localizada no Jardim Afonso, disse que tomou apenas uma cerveja e logo em seguida começou a passar mal e foi até o banheiro, local em que foi socorrida por duas amiga. Afirmou que depois disso não se lembra de mais nada, até o momento em que acordou quando uma luz foi acesa e percebeu que estava na casa do indivíduo suspeito da violência sexual, residência  localizada na Rua Padre Mello.

Estava nua e o acusado sobre ela. Em seguida, ainda segundo depoimento da menina, o indivíduo foi ao banheiro, e ela vestiu suas roupas e fugiu até uma pizzaria, nas proximidades, para pedir socorro, local em que foi atendida pela PM. Minutos depois, o elemento foi preso. Alegou que teria percebido quando “passou mal” e a levou para casa para cuidar da adolescente.

Em Santo Antônio da Platina, também houve manifestação na tarde desta quarta-feira, dia cinco, no centro da cidade, em frente ao Banco do Brasil (fotos abaixo).

 

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

Comentários

  • Facebook
  • Google Plus

Notícias relacionadas