NPdiário | Romanelli debate superlotação dos ônibus na pandemia

Romanelli debate superlotação dos ônibus na pandemia

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

Com outras lideranças paranaenses na Assembleia Legislativa

Os deputados Luiz Cláudio Romanelli (Primeiro-secretário) e Hussein Bakri ( líder do Governo na Assembleia Legislativa/foto) coordenam nesta segunda-feira, dia 13, a partir das 9h30, a tele-reunião sobre o projeto de lei que prevê a proibição da superlotação de ônibus e demais meios de transporte coletivo enquanto perdurar a pandemia da Covid-19 no Paraná.

A proposta, de autoria de Romanelli (foto), limita a lotação dos veículos ao número de assentos disponíveis.

Além dos dois, confirmaram presença na reunião os deputados Soldado Adriano PV) e Tadeu Veneri (PT); a chefe do Gabinete da prefeitura de Curitiba, Cibele Fernandes Dias; o secretário estadual de Saúde, Beto Preto; o diretor Legislativo da Casa Civil, Eduardo Magalhães; o presidente da ACP(Associação Comercial do Paraná), Camilo Turmina; o presidente da Urbs (Urbanização de Curitiba), Ogeny Pedro Maia Neto; o diretor de Operações do DER(Departamento de Estradas de Rodagem), Alexandre Magalhães; o presidente da Comec, Gilson dos Anjos; o presidente Fepasc, Felipe Busnardo Gulin e o diretor da Rodopar, Carlos Cesar Schaedler.

No dia 26 de junho, o deputado Romanelli apresentou o projeto de lei e argumenta que a superlotação acelera a transmissão do coronavírus. No caso de descumprimento da lei, prevê a iniciativa, será aplicada sanção de 95 UPF/PR (Unidade Padrão Fiscal do Paraná), ao proprietário ou responsável pelo veículo. Cada uma equivale a R$ 104,90, o que resulta em R$ 9.965,59  em multa.

Justificativa –  Os ônibus de transporte coletivo, justifica o parlamentar, têm enormes dificuldades de observância das medidas de combate ao avanço da pandemia, em especial pelo grande fluxo de pessoas e aglomerações decorrente do excesso de passageiros nos horários de pico.

Durante a utilização do transporte coletivo, os passageiros estão obrigados ao uso de máscara de proteção facial e sujeitos às penalidades previstas na referida norma, em caso de descumprimento. “Os veículos deverão fornecer aos passageiros que não possuam, máscaras de proteção, bem como solução de álcool em gel a 70%”, diz o artigo 3º do projeto.

Romanelli argumenta que o projeto de lei é mais um instrumento de prevenção, proteção e resguardo coletivo das pessoas, e levanta uma barreira para se evitar a transmissão do vírus. “O projeto procura evitar a proximidade e aglomeração dos usuários, e mantendo-se assim a atividade do transporte público ou privado de passageiros, sob o enfoque de saúde pública.

O projeto de lei prevê regras e limitações de pessoas transportadas, considerando a capacidade dos veículos e às medidas de segurança sanitárias, enquanto perdurar o estado de calamidade pública. “Depreende-se, portanto, que a iniciativa proposta é relevante e urgente no contexto atual, especialmente diante da possibilidade de colapso do sistema de saúde em razão do aumento expressivo de casos que necessitam de cuidados hospitalares”.

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

Comentários

  • Facebook
  • Google Plus

Notícias relacionadas