NPdiário | Começa a funcionar Aterro Sanitário de Santo Antônio da Platina

Começa a funcionar Aterro Sanitário de Santo Antônio da Platina

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

São mais de 12 mil metros quadrados

O Município de Santo Antônio da Platina, Através de Processo Licitatório, contratou empresa especializada para a construção de um novo Aterro Sanitário, que começou a funcionar neste final de semana.

A obra custou R$ 761.696,67, com recursos próprios. A Empresa iniciou a construção em 13 agosto de 2019, finalizando em 23 de outubro de 2019. Com o recebimento da Licença Ambiental de Operação, o município entregou a Ordem de Serviço para a SANETRAN, que a partir de então é a empresa responsável pela Operação do Aterro por 60 meses, com custo mensal de R$ 68.309,63.
Estiveram presentes no evento, José da Silva Coelho Neto, Prefeito  Marcos Antônio Pinto, Chefe do IAP/Jacarezinho, Secretários e Funcionários municipais e convidados.

A obra está localizada no KM 7 da PR-439 (rodovia que leva até Ribeirão do Pinhal) a mais ou menos 4,5 quilômetros do trevo de acesso na avenida Palma Rennó.
São 12 mil metros quadrados de área construída.
Aterro sanitário é um sistema de descarte de resíduos sólidos que utiliza técnicas buscando minimizar os impactos que o lixo provoca na natureza.É uma área licenciada por órgãos ambientais, destinadas a receber os resíduos sólidos urbanos, basicamente lixo domiciliar, de forma planejada, onde o lixo é compactado e coberto por terra, formando diversas camadas.

A decomposição do lixo produz metano, gás carbônico e outros gases poluentes que intensificam o aquecimento global. Um aterro sanitário reduz a poluição, colabora para a redução da emissão de gases de efeito estufa, evita odores desagradáveis, gera energia e pode ser uma fonte de receita por meio de créditos de carbono.

Um aterro sanitário adequado aos padrões de mecanismo de desenvolvimento limpo obedece ao seguinte processo:

1 – O solo é compactado para dar firmeza ao aterro que receberá uma camada de polietileno de alta densidade, por baixo e pelos lados, que impede o contato entre os detritos e o subsolo e por cima quando ele estiver cheio.

2 – Na base, as camadas de geotêxtil (tela de tecido com betume, semipermeável), brita e areia, permitem a drenagem do chorume.

3 – O lixo é depositado em camadas no aterro sanitário, periodicamente intercaladas por camadas de terra.

4 – O chorume (líquido que escorre do lixo) vai para tratamento. Separada a água, os resíduos sólidos voltam para o aterro sanitário.

 

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

Comentários

  • Facebook
  • Google Plus

Notícias relacionadas