NPdiário | Pedágio: Romanelli diz que PR ganha com proibição de empresas em licitações

Pedágio: Romanelli diz que PR ganha com proibição de empresas em licitações

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

“É uma vitória do povo paranaense”, diz deputado

O deputado Luiz Cláudio Romanelli (PSB) aplaudiu na tarde desta terça-feira, dia sete, a decisão da Controladoria Geral do Estado de proibir as concessionárias Rodonorte, Ecocataratas e Ecovia de participar das próximas licitações do pedágio no Paraná. “Essa é uma vitória do povo paranaense. Eu cumprimento o controlador-geral Raul Siqueira por esta decisão e entendo que esses acordos de leniência feitos pelo Ministério Público Federal com as três concessionárias de pedágio são lesivos e contrário aos interesses dos paranaenses”, assinalou.


Nós não podemos compactuar com qualquer desvio ou malversação

“Começamos bem o ano de 2020 e temos que comemorar essa decisão. As palavras do controlador são claras na sua decisão: ‘vislumbra-se o prejuízo irreparável à administração pública e, por certo, à coletividade, quando constatada a existência de irregularidades por parte das empresas concessionárias que praticaram atos ilícitos'”.
Romanelli reafirma que os atos ilícitos mencionados pelo controlador nada mais são que propina, corrupção. “Não podemos compactuar com qualquer desvio ou malversação”.Duplicação – “Está de parabéns o controlador-geral, o governador Ratinho Junior, como estão de parabéns todos que sempre lutaram contra esse modelo perverso de pedágio. Queremos todas as obras previstas suprimidas no contrato original sejam realizadas, nenhum quilômetro a menos de duplicação”.As três empresas administram trechos do Anel da Integração do Paraná, um conjunto de rodovias concedido à iniciativa privada. Do grupo CCR, a Rodonorte opera em estradas que ligam Curitiba ao Norte do estado. Do grupo Ecorodovias, Ecovia e Ecocataratas atuam na região leste e oeste do estado, respectivamente.

Em 2019, as três concessionárias firmaram acordos de leniência com o Ministério Público Federal, admitindo irregularidades na gestão do contrato com o estado e pagamento de propina para agentes públicos. Elas são investigadas na Operação Integração, um desdobramento da Lava Jato.

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

Comentários

  • Facebook
  • Google Plus

Notícias relacionadas