NPdiário | Assassinato de adolescente é mistério no Norte Pioneiro

Assassinato de adolescente é mistério no Norte Pioneiro

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

Tinha apenas 17 anos e vivia com rapaz em Siqueira Campos 

 

 

Exclusivo: O corpo de uma mulher em adiantado estado de decomposição, e praticamente irreconhecível, encontrado na represa de Xavantes, perto da zona urbana de Carlópolis em torno de 17h50m de quinta-feira, dia 18, foi identificado na manhã deste sábado. Trata-se de Isabelle Breves (fotos), de 17 anos, residente em Siqueira Campos.

A garota foi assassinada antes ou jogada ainda com viva na água, pois as mãos estavam amarradas atrás do corpo e com arames e telas envolvendo pernas e dorso indicando que não poderia nadar ou se salvar.

O delegado brazense, Juliano Fonseca, disse ontem por telefone ter aberto Inquérito Policial e que trabalha com várias possibilidades para descobrir a autoria do que pode ser também feminicídio. Não revelou, obviamente, os detalhes justamente para não atrapalhar a investigação.

O npdiario conversou também com o pai da vítima, Claudinir. Ele contou que a moça, que completaria 18 anos no dia 11 de abril, estava “amigada” com um elemento “perigoso e marginal”, que, inclusive, permanece foragido, “ela não fazia nada de errado, mas se envolveu com esse bandido”, disse o genitor para a reportagem.

A mãe, Neiva Nunes, Claudinir, e os quatro irmãos, estão inconformados com a situação.

Familiares de Isabelle em Siqueira Campos e Santo Antônio da Platina entraram em contato com o npdiario e alguns garantiram que a moça era a líder de uma quadrilha e o rapaz foragido, embora tenha culpa também, não seria perigoso e teria sido envolvido na situação. Outra versão seria que os dois teriam sido sequestrados por elementos que exigiam pagamento por dívidas de drogas.

Quando do achado na quinta-feira populares que encontraram avisaram  as Polícias Militar e Civil locais e o corpo de bombeiros de Santo Antônio da Platina. As duas corporações se mobilizaram, porém a unidade de socorro platinense nem foi até a represa porque estava anoitecendo e nada poderia ser feito.

O caso segue ainda sem desfecho.

 

 

 

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

Comentários

  • Facebook
  • Google Plus

Notícias relacionadas