NPdiário | Possível erro médico causa morte de bebê

Possível erro médico causa morte de bebê

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

Brenda Elisa Salera Batista morreu a caminho do Hospital Infantil de Londrina

Uma criança de nove meses foi levada pela mãe, por volta das sete horas da manhã do sábado, dia 17, ao Hospital Municipal de São José da Boa Vista com fortes dores abdominais. A bebê foi atendida pelo médico de plantão, Luiz Henrique da Silva, que prescreveu supositório, um medicamento para gases e outro para dor, acreditando que a bebê estivesse “ressecada”.

Mesmo diante ao choro intenso, o profissional determinou que a genitora esperasse com a filha do lado de fora do hospital, pelo período de uma hora, para que depois a paciente fosse novamente avaliada.

Diante da dor visível, a responsável foi à casa do médico José Lázaro Ferraz, que é candidato a prefeito do município. Ele a diagnosticou com constipação intestinal; ressecamento das fezes no intestino. Acreditando ser esse o diagnóstico correto, prescreveu uma lavagem intestinal e encaminhou Brenda ao Hospital de São José para que o procedimento fosse feito por Luiz Henrique.

Mais uma vez Luiz determinou que a mãe esperasse com a criança no colo do lado de fora, até que, novamente, a chamasse para atendimento. Nesse intervalo, Rivalene, uma vizinha do local, incomodada com o choro, convidou a mãe, Adriana, para esperar em sua casa.

Ao perceber o desespero da mãe, enviou uma mensagem a Fabíola Castro Dano Albergoni. Entretanto, por não ser médica contratada para atender no Hospital de São José, ela foi à casa e a examinou.

Convencida que o caso era extremamente grave e acreditando ser uma torção intestinal (nó na tripa), enviou mensagem para um enfermeiro, sugerindo o encaminhamento imediato da menina a um hospital que pudesse resolver o problema, o qual teria grandes possibilidades de ser cirúrgico.

Entre os atendimentos pelos médicos Luiz Henrique e José, a menina e a família viveram uma longa espera até a transferência para o Hospital Infantil de Londrina.

DA VIAGEM PARA LONDRINA                           

Brenda foi transferida em uma ambulância da Prefeitura de São José da Boa Vista, sem acompanhamento médico. Ao passar pela cidade de Jataizinho, na região metropolitana de Londrina, a bebê já teria sofrido duas paradas cardiorrespiratórias, o que fez o motorista da unidade móvel de saúde buscar socorro junto Serviço de Atendimento Móvel de Urgência daquela cidade.

A bebê foi retirada da ambulância e colocada na ambulância do SAMU, onde faleceu pouco antes de chegar ao Hospital Infantil. A morte ocorreu às 17h05m, cerca de dez horas após ser atendida pelo Doutor Luiz Henrique e nove horas após ser atendida por José Ferraz.

O QUE DIZEM OS MÉDICOS

Dr Luiz Henrique nada disse, pois não quis se manifestar.

O médico José Ferraz não foi localizado pela reportagem.

Doutora Fabíola informou à redação que não fez mais do que cumprir o juramento médico e que socorrer a criança era a sua obrigação profissional e também como ser humano.

O QUE INFORMOU O MUNICÍPIO

O prefeito, Pedro Sérgio Kronéis, informou ter determinado ao Departamento de Saúde apurar o caso e tudo está sob responsabilidade da Procuradoria do Município.

Doutor Luiz Henrique é proprietário da empresa que contrata os médicos para trabalhar no Hospital de São José da Boa Vista.

SOBRE A DOENÇA QUE MATOU BRENDA

Segundo a literatura médica “o volvo intestinal acontece quando o intestino dá voltas ao redor dele mesmo, causando uma interrupção do fluxo sanguíneo e consequente necrose das alças intestinais”. A necrose é a morte de parte do intestino. Essa torção geralmente está relacionada à má rotação intestinal, o que ocorre principalmente no primeiro ano de vida, incidindo igualmente em meninos e meninas.

DA APURAÇÃO PELA POLÍCIA

A morte da criança foi comunicada à 10ª subdivisão Policial de Londrina por Adriana Moreira Salera Batista, a mãe de Brenda, e pelo Boletim de Ocorrência de nº 2020/1065748. O Boletim lavrado em Londrina foi imediatamente encaminhado à Delegacia de Polícia Civil de Wenceslau Braz, onde o Delegado Miguel Chibani instaurou Inquérito Policial para apurar eventual erro médico.

Pelo fato da vítima ser menor  e haver suspeita de um crime contra a vida, ainda que culposo (sem intenção), a investigação não depende da vontade da família, ou seja, mesmo que peça o arquivamento da investigação, isso não ocorrerá, pois só poderá ser determinado pela Justiça, depois também de ouvido o Promotor de Justiça.

Veja abaixo imagens dos documentos:

]

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

Comentários

  • Facebook
  • Google Plus

Notícias relacionadas